Abobado

Odeio petralhas | Raça de sangue ruim; corruptos, bandidos, oportunistas, picaretas, malandros…

O medo do fracasso nas urnas aumenta a produtividade da fabricante de mentiras

with 4 comments

alt

Dilma Rousseff repete com orgulho que se negou a dizer verdades perigosas mesmo sob tortura, lembrou um texto aqui publicado em agosto de 2009. Ela tinha pouco mais de 20 anos, mas sabia muito, quando foi presa pela polícia da ditadura. Mesmo confrontada pelos inquisidores com copiosas evidências e provas materiais, mesmo submetida a torturas, garantiu que não havia participado de assaltos a banco e outras ações armadas, desmentiu o envolvimento com grupos de extrema-esquerda, escondeu os nomes dos parceiros de vida clandestina, não admitiu sequer que era quem era.

A candidata que Lula inventou gosta de contar que, apesar da sensação de desamparo e insegurança, não deixou escapar qualquer informação que a prejudicasse, ou colocasse em risco os companheiros que lutavam para substituir a ditadura militar pela ditadura do proletariado. Em três anos de cadeia, descobriu que a mentira pode garantir a sobrevivência física. No coração do poder há oito anos, descobriu que a mentira pode ser o preço da sobrevivência política. A soma das duas descobertas explica por que Dilma Rousseff mente com a naturalidade de quem está ditando uma receita de bolo: ela acha que negar a verdade é o preço que se paga para continuar vivo. No presídio ou no palanque.

Foi assim em 2008, quando alquimistas da Casa Civil, incumbidos de desviar os holofotes que iluminavam a farra dos cartões corporativos no Planalto, produziram um dossiê que transformava o ex-presidente Fernando Henrique e Ruth Cardoso no mais perdulário dos casais. Pilhada em flagrante, Dilma rebatizou de “banco de dados” a fábrica de dossiês cafajestes gerenciada por Erenice Guerra. E jurou que não fizera o que fez com a mesma convicção aparente da juventude.

Foi assim quando se descobriu que o currículo era enfeitado por um misterioso doutorado em economia pela Unicamp. A Doutora em Nada garantiu que não sabia de nada, nunca havia lido o que estava no site da Casa Civil e nas introduções de todas as entrevistas concedidas desde 2003. Alegou que algum subordinado fizera aquilo sem consultar a beneficiária da fraude, não identificou o culpado, queixou-se da perseguição da imprensa e pediu ajuda a Lula. O Padroeiro dos Companheiros Delinquentes expediu outro habeas corpus perpétuo e o currículo fraudulento voltou para baixo do tapete.

A coleção de mentiras foi ampliada quando Lina Vieira, demitida da secretaria da Receita Federal por honestidade, contou que fora pressionada no fim de 2009 para “agilizar” a auditoria em curso nas empresas da família Sarney. Como fez de conta que não entendeu a ordem de Dilma para esquecer o caso, Lina perdeu o emprego. Numa entrevista à Folha, informou que foi convocada para o encontro pela onipresente Erenice Guerra, reproduziu o diálogo no gabinete, descreveu a cena do crime, até detalhou as vestes da protetora de Fernando Sarney. “Não fiz esse pedido a ela”, retrucou Dilma. No minuto seguinte, pediu de novo ajuda do Mestre.

Enquanto comparsas cuidavam da queima de arquivos – começando pelas fitas do serviço de segurança que endossavam o que Lina Vieira revelara –, ouviu-se a fala do trono: “Duvido que a Dilma tenha mandado recado ou conversado com alguém a esse respeito. Não faz parte da formação política da Dilma”. Fez, faz e, se o eleitorado permitir, continuará fazendo, comprova a edição de VEJA deste fim de semana, que escancara as dimensões inquietantes do salto no escuro.

Governar é escolher. Dilma escolheu como braço-direito uma Erenice Guerra. Até as maçanetas da Casa Civil sabem que, se reportagens de VEJA não tivessem desbaratado a quadrilha formada por parentes e agregados, a Mãe da Bandalheira seria mantida no cargo e promovida a figura mais poderosa de um governo Dilma Rousseff. Revelado o escândalo, a mulher que não sabe escolher sequer a melhor amiga finge que mal conhece Erenice. Mentiu para sobreviver politicamente.

É o que tem feito para safar-se da enrascada em que se meteu com a exibição de vídeos que a mostram defendendo a descriminalização do aborto. Poderia ter mantido o que disse ou informado que mudara de ideia. Em vez disso, preferiu violentar a verdade e atribuir o que comprovadamente afirmou a uma “campanha caluniosa”. As duas opções anteriores teriam provocado estragos bem menores que a reafirmação de que o Brasil pode ser presidido por uma mulher que mente compulsivamente.

“Quando não se sabe o que fazer, melhor não fazer nada”, aconselhava Dom João VI. Nocauteados pela frustração do primeiro turno, os comandantes da campanha governista resolveram voltar à ação ainda grogues. E mobilizaram uma brancaleônica brigada de voluntários dispostos a provar que Dilma decorou a Ave Maria aos 3 anos de idade, leu o catecismo aos 4 e aos 5, dispensada da confissão por falta de pecados, começou a comungar. O inevitável Frei Betto não poderia ficar fora dessa.

Na Folha deste domingo, depois de contar que conheceu a candidata na cadeia, Frei Betto jura que “ex-aluna de colégio religioso, dirigida por freiras de Sion, Dilma, no cárcere, participava de orações e comentários do Evangelho”. Bonito, isso. O problema é a fonte. Ultimamente, nas dedicatórias escritas em livros com os quais presenteia amigos especialmente próximos, o ex-sacerdote tem repetido a mesma frase antes da assinatura: “do irmão em Cristo e irmão em Castro”. Quem compara a figura de Jesus Cristo a Fidel Castro não é o melhor fiador da religiosidade de ninguém.

Para apagar o fogo, chamaram um incendiário. Absolvida por Frei Betto, a mais santa das mulheres fica com cara de pecadora irremissível.

Por Augusto Nunes

4 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. ELA ESTUDOU NA ESCOLINHA DO LULA!!!!!!

    maria jose antunes m gomes

    11 de outubro de 2010 at 01:37

    • Serrista ou “salierista”
      Ivon Baldrighi

      O serrista é um sujeito que não aceita outra coisa de você a não ser você votar no Serra. Depois criticam o Hugo Chaves.

      O serrista não se preocupa com o que o Serra vai fazer, ele se preocupa com o que o outro não vai fazer.

      O serrista vê a eleição como uma partida de futebol: “Vamos vencer… Vamos ganhar!”

      Para o serrista, o outro candidato não é um oponente com idéias diferentes, o outro candidato é um inimigo.

      O serrista recebe um e-mail falando mal do oponente e, imediatamente, o encaminha para todo mundo com aquela sensação de prazer do dever cumprido. Ele nem quer saber se é verdade ou não. Falta-lhe senso de justiça.

      Outro dia li um texto de um serrista que dizia nunca ter vista uma foto da Dilma com véu e grinalda. Que argumento mais ridículo numa disputa eleitoral. Os demais serristas acharam o máximo: “Viram?! Ela nunca usou véu e grinalda!” Como se véu e grinalda fossem determinantes na moral de alguém. Então vamos questionar o baseado do FHC.

      No fundo no fundo, o serrista quer mais é que o Serra se exploda, eles não estão nem aí para o candidato que deu as costas para o paulistano e o paulista, quando governou por apenas dois anos a cidade e o estado de São Paulo.

      O que você acha de um candidato que promete mil coisas numa campanha eleitoral e depois de dois anos cai fora?

      Mas voltando ao serrista, na verdade ele é um sujeito que se julga superior, elitizado, estudado e por isso sofre muito. Sofre do alto de seu ego ao ver um “pião” se transformar num dos melhores dirigentes que esse País já teve.

      Parafraseando Salieri em relação a Mozart, um serrista diria: “Como pode um semi-analfabeto sem um dedo, ser presidente do Brasil por 8 anos e ainda terminar como provável indicado para o cargo de secretário geral da ONU?

      O serrista na verdade é um “salierista”. Ele quer mais é que o Serra se exploda!
      Dilma – 13

      Denilson Santos

      12 de outubro de 2010 at 00:43

  2. Quanto mais vcs falam asneiras sobre a Dilma,mais vcs arrastam votos para ela..

    Lu

    12 de outubro de 2010 at 10:42

  3. Ei gente dia 31 está chegando,vamos nos preparar pára a festa vermelha!!! Não esqueçam teclem o 13 e depois confirmem …

    Solange

    12 de outubro de 2010 at 11:04


A área de comentários é liberada. Mas não venham pra cá cantar de galo e me atacar ou atacar a quem defendo. Sejam educados e comportem-se. Se não gostam do que publico, criem um blog e sejam felizes. Petralha aqui, não!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s