Abobado

Odeio petralhas | Raça de sangue ruim; corruptos, bandidos, oportunistas, picaretas, malandros…

Archive for outubro 8th, 2012

Serra diz que petralhas querem usar eleição para abafar mensalão

leave a comment »

O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra (PSDB), afirmou na tarde desta segunda-feira, que o PT quer usar as eleições municipais para "abafar" a repercussão do julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal (STF) – suposta compra de votos de parlamentares no primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "O PT vai querer usar essa eleição para abafar a questão do mensalão. Isso é muito claro", afirmou o tucano, que disputa o segundo turno das eleições municipais paulistanas com o petista Fernando Haddad.

O candidato do PSDB disse ainda que o tema do mensalão deve fazer parte do segundo turno da campanha. "O mensalão está presente nos noticiários, no rádio, na televisão, no dia a dia e nos debates. Por que haveria de estar fora de uma campanha?", questionou. "De forma nenhuma", concluiu.

Em passeata realizada na Vila Formosa, na zona leste da capital paulista, o tucano visitou o comércio da região e cumprimentou eleitores. Questionado se a visita à zona leste fazia parte de alguma estratégia para angariar votos na região, Serra negou e justificou sua ida dizendo que almoçou na casa de uma tia que reside próximo. "É só porque era aniversário da minha tia que mora na Mooca, e aqui era mais perto. Não tem estratégia", explicou.

José Serra afirmou também que pretende fazer a campanha do segundo turno ressaltando o debate de ideias, e discutindo a biografia de cada candidato e o grupo ao qual ele está ligado, destacando que é preciso analisar o grupo que anda junto de um candidato.

Indecisos

Serra falou também que os cerca de 20% de eleitores que se abstiveram nesta eleição na capital devem estar no foco de atenção do PSDB neste segundo turno. "É muita gente, mais de 1,5 milhão de pessoas, sem contar os que votaram em outros candidatos", afirmou. Questionado sobre a atuação do PT na periferia, Serra minimizou, ironizando: "Eles (petistas) têm muita saliva, constroem creches com saliva, unidades de saúde com saliva. Nós construímos com tijolo, cimento e recursos humanos."

Estadão Online

Mensalão: Ministros do STF crêem em condenação de Dirceu por corrupção

with one comment

Com os três votos contundentes já apresentados, membros da corte estão convictos de que o ex-ministro não escapa da condenação

A densidade dos primeiros três votos favoráveis à condenação do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu aumentou, entre os ministros do Supremo Tribunal Federal, a convicção de que ele será condenado por corrupção ativa por um placar dilatado. A expectativa é que oito ministros votem pela condenação e dois pela absolvição.

Leia também:
Os trâmites do julgamento e o que pesa contra cada réu
C
onfira o placar da votação até aqui, crime a crime, réu a réu

Junto com o ex-capitão do time do primeiro mandado do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva devem ser considerados culpados pelo crime o ex-presidente do PT José Genoino e o ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares. O julgamento será retomado nesta terça-feira e a previsão é de que o resultado sobre os casos dos políticos que integravam a cúpula petista no governo Lula saia ainda esta semana.

Além da pena que deverá ser fixada pelo STF ao final do julgamento, os condenados passarão a ser considerados "fichas sujas". Ou seja, como consequência da decisão, ficarão inelegíveis pelo período de oito anos, conforme estabelece a Lei da Ficha Limpa.

Até agora, quatro dos dez ministros do STF já votaram. Por enquanto, existem três votos para condenar José Dirceu e Genoino e quatro para punir Delúbio Soares.

O julgamento será retomado com os votos dos ministros Dias Toffoli, Cármen Lúcia, Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello e Celso de Mello e do presidente, Carlos Ayres Britto. A expectativa é de que a maioria siga a conclusão do relator, Joaquim Barbosa, que aceitou as acusações do Ministério Público Federal segundo as quais José Dirceu foi a principal figura e o autor intelectual do mensalão. Para ele, o escândalo ocorreu dentro do Planalto.

A expectativa também entre os integrantes da Corte é que um segundo voto pela absolvição de Dirceu seja dado pelo ministro Dias Toffolli, que foi advogado do PT e subchefe de Assuntos Jurídicos da Casa Civil durante a gestão do petista.

O advogado José Luís de Oliveira Lima, que representa José Dirceu, sustenta que "não há nenhuma prova" contra seu cliente, "Conforme disse o próprio procurador-geral da RePública (Roberto Gurgel) ao afirmar que as provas eram tênues", afirmou o criminalista.

Veja Online com Agência Estado

Mensalão: O dito pelo não dito

leave a comment »

No início de 2006, quando o deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), da CPI dos Correios, divulgou seu relatório final sobre o caso do mensalão denunciado por Roberto Jefferson em meados do ano anterior, jornalistas de Brasília procuraram Lula para ouvi-lo a respeito.

Diante de assunto incômodo, como é do seu feitio, Lula se esquivou. E disse: "Não vou ler. Aguardarei o pronunciamento final da Justiça".

Alguns meses antes, Lula ocupara rede nacional de televisão para, aparentemente constrangido, pedir desculpas aos brasileiros. Lamentou tudo o que tinha ocorrido numa admissão velada de que algo muito grave ocorrera de fato.

Ora olhando para a câmara, ora para o teto, se disse traído. E apunhalado pelas costas. Não revelou o nome dos traidores. Nem de quem o apunhalara.

Se o tivesse feito daria margem para que seus desafetos alardeassem: "Estão vendo? Tanto ele sabia da existência do mensalão que não teve dificuldade em identificar os mensaleiros".

De lá para cá, Lula tratou o caso de duas maneiras. A primeira: garantindo que tudo seria apurado pela Justiça, e os culpados punidos. A segunda: afirmando que o mensalão não passara de uma farsa. De uma grande farsa.

A primeira maneira serviu para que Lula atravessasse como um coitadinho os meses que faltavam para a eleição de 2006.

Reeleito, adotou a segunda maneira. O que existira, o que fora chamado de Caixa 2, o que resultaria em punições, cedeu lugar à teoria da farsa. E se fora uma farsa…

Bem, nada mais lógico do que deduzir que ninguém pagaria por ela. Sem crime, sem culpados.

Lula bateu na porta de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) empenhado em convencê-los a adiar o julgamento do processo do mensalão. Não porque temesse a punição dos seus comparsas. Como eles poderiam ser punidos se Lula e Dilma juntos haviam nomeado sete dos atuais 10 ministros?

Nada mais republicano do que esperar que tais ministros votassem para poupar seus padrinhos de constrangimentos.

O adiamento pretendido por Lula tinha a ver com o fato de que o julgamento poderia correr paralelamente à campanha eleitoral. Lula temia que o PT perdesse com isso.

O PT perdeu com a atitude de Lula de interferir no calendário da Justiça. E deve ter perdido em São Paulo com a contaminação do debate político sobre o julgamento.

Lula até que tinha razões para se preocupar. Mas nenhuma para se meter.

Agora, às vésperas de o STF confirmar o nome dos que o traíram, Lula elogiou o voto do ministro Ricardo Lewandowski que absolveu o ex-ministro José Dirceu.

Para ele, Lewandowski foi claro e abordou “questões centrais” durante sua exposição, segundo Gustavo Uribe, repórter de O GLOBO.

Lula tem repetido que não existem provas capazes de mandar para cadeia o acusado de ter chefiado o esquema do mensalão.

Cadê o Lula que se recusou a ler o relatório da CPI dos Correios por que preferia aguardar o pronunciamento da Justiça? E cadê o Lula que garantia estar convencido que a Justiça apuraria o caso e puniria os culpados? O gato comeu?

Não comeu. O Lula que disse tudo aquilo era apenas um farsante. Confiram o que ele dirá tão logo termine o julgamento.

O comportamento de Lula em relação aos mensaleiros é típico de quem se sabe culpado pelo crime que os outros pagarão sozinhos.

De resto, é típico também de quem se sente refém de segredos.

Marcos Valério espera receber em dobro a atenção e o carinho que mereceu do PT até aqui. Do contrário…

Por Ricardo Noblat