Abobado

Odeio petralhas | Raça de sangue ruim; corruptos, bandidos, oportunistas, picaretas, malandros…

Archive for fevereiro 19th, 2013

O velho e mensaleiro PT

with one comment

O velho PT oposicionista — raivoso, sectário e, principalmente, desonesto — reacende na comemoração pelos seus dez anos no poder. Mas, a realidade é que, não tivessem Lula e Dilma sido antecedidos no cargo por Fernando Henrique, o país certamente não seria o que é hoje e o PT provavelmente teria naufragado na primeira esquina. Numa coisa o PT é, de fato, imbatível: nenhum outro partido tem em seus quadros uma turma de mensaleiros condenados à prisão.

O PT está armando um tremendo oba-oba para marcar seus dez anos de chegada ao poder. Tem todo direito de comemorar. Desde que não recorra às mistificações, mentiras e invencionices que tanto caracterizam suas mais de três décadas de trajetória. Mas esperar honestidade dos petistas é querer demais.

Há dez anos, o partido dos mensaleiros tenta vender aos brasileiros a ideia de que nossa história começou em 1° de janeiro de 2003, quando Luiz Inácio Lula da Silva assumiu a Presidência da República Federativa do Brasil e, oito anos depois, foi sucedido por Dilma Rousseff. Tudo o que antecedeu ao reinado dos petistas é tratado como escória.

É o que o PT volta a fazer agora por meio de uma cartilha recheada de adjetivos e palavras de ordem que em tudo lembra o velho PT oposicionista: raivoso, sectário e, principalmente, torpe e desonesto. Nem dez anos no comando de uma das mais importantes nações do mundo deram aos petistas a serenidade e o decoro necessários.

A realidade é que, não tivessem Lula e Dilma sido antecedidos no cargo por Fernando Henrique Cardoso, o país certamente não seria o que é hoje. Não tivesse a gestão tucana legado à petista um país com moeda estabilizada, contas fiscais geridas em regime de responsabilidade e uma estrutura produtiva em processo de modernização, o PT provavelmente teria naufragado na primeira esquina.

Recorde-se que tanto a estabilização obtida com o Plano Real quanto a adoção da Lei de Responsabilidade Fiscal foram duramente combatidas pelo PT oposicionista, seja nos palanques, nas tribunas, no Parlamento ou na Justiça. Para os petistas, o que sempre valeu foi a máxima do hay gobierno, soy contra ou, ainda, a do “quanto pior, melhor”.

Nestes dez anos de poder, o PT valeu-se sobejamente da herança bendita tucana. Mas tudo que é bom não perdura para sempre. A falta de um novo ciclo de reformas e o mau uso que os petistas fazem das instituições estão levando à exaustão o que lhe foi legado. Como os governos petistas foram incapazes de dar novo sopro renovador ao Brasil, o país ora rateia.

Não é outra coisa o que está ocorrendo com a inflação, numa séria ameaça de descontrole dos preços que desponta no horizonte e põe em risco o orçamento familiar, principalmente o das famílias mais pobres. O mesmo acontece com as contas públicas, em franco processo de deterioração e retrocesso. E o que faz o governo do PT para se contrapor a esta situação? Simplesmente bate cabeça.

O que se passa no lado real da economia brasileira também evidencia a falência dos propósitos petistas. O estatismo anacrônico do partido dos mensaleiros conduziu o país a um gigantesco nó logístico e de infraestrutura que só timidamente ora começa a ser deslindado. Mas como? Com as privatizações — como acontece agora com os portos, as ferrovias e as rodovias — que o PT outrora tanto demonizou.

É legítimo reconhecer que os governos petistas promoveram avanços importantes na área social. Mas, para uma análise honesta, é forçoso constatar que o germe que floresceu na ascensão social, na disseminação do Bolsa Família e na recuperação do salário-mínimo foi semeado na gestão tucana.

Mas há uma coisa em que o PT é, de fato, imbatível: nenhum outro partido tem em seus quadros uma turma de mensaleiros condenados à prisão pela mais alta corte de Justiça do país. Nas comemorações pelos dez anos de poder petista, Lula e Dilma Rousseff poderão se irmanar gostosamente a José Dirceu, José Genoino, João Paulo Cunha, Delúbio Soares e outros tantos — enquanto, claro, eles ainda não cumprem suas penas na cadeia. Esta exclusividade ninguém tira deles.

Instituto Teotônio Vilela

FHC diz ao PT: “O Brasil não começou agora”

leave a comment »

Fernando Henrique Cardoso diz que o PT, para comemorar os dez anos na Presidência, deveria estar satisfeito com o que fez e não ficar falando o que os outros não fizeram

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) criticou nesta terça-feira, 19, a comemoração organizada pelo PT ao completar dez anos no governo federal e disse que os petistas fazem "picuinha" ao criticar a gestão tucana no País (1995-2002). Em um vídeo publicado no site Observador Político, mantido pelo Instituto FHC, o ex-presidente diz que mudou "o rumo do Brasil" e que seus sucessores não reconhecem os avanços de seu governo.

"Uma coisa engraçada é o modo de o PT comemorar. Em vez de ficar satisfeito com o que fez, não: ficam falando o que o outro não fez. Eles pensam que o Brasil começou agora. Não começou. No meu governo, eu mudei o rumo do Brasil, que estava muito desorganizado", afirma FHC.

O PT realiza nesta quarta-feira, 20, em São Paulo, um evento para celebrar seus dez anos à frente do governo federal. São esperados discursos que defendem as políticas públicas adotadas pela sigla, em comparação com marcas alcançadas no governo FHC.

O ex-presidente tucano diz no vídeo que reconhece avanços do governo do PT, mas ataca falhas nas administrações de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) e Dilma Rousseff (2011-2014). "Eu sei reconhecer o que no passado se fez de bom no Brasil. Cada vez que o PT acerta, é bom para o Brasil. O mal é quando ele erra. Quando atrapalha a Petrobrás, atrapalha a Eletrobrás. Aí, complica. Complica não é a mim, complica o Brasil."

FHC também diz que está maduro o suficiente para "deixar para lá" as críticas de seus adversários. "A gente deve comemorar a vitória do Brasil, e não ficar o tempo todo olhando pra trás. Isso é coisa de criança, parece picuinha", afirma.

Informações do Estadão Online