Abobado

Odeio petralhas | Raça de sangue ruim; corruptos, bandidos, oportunistas, picaretas, malandros…

Bandidagem petralha – Temendo ser preso, Vargas volta a avisar Gleisi: ‘Você não vai me transformar em um novo Gaievski’

with one comment

Os crescentes indícios do envolvimento do ex-ministro Alexandre Padilha com o esquema Labogen (laboratório ‘fake’ criado pelo doleiro Alberto Youssef para lavar dinheiro e lesar o Ministério da Saúde) reforçaram o pânico do deputado André Vargas diante da possibilidade de ser preso. Hipertenso, claustrofóbico e com excesso de peso, Vargas confidencia a amigos que teme morrer se acabar na cadeia. Tal pavor levou Vargas a se desfilar do PT, como forma de reduzir as pressões e ameaças que vinha sofrendo por parte da cúpula petista. Esse temor em relação ao cárcere também o levou a tomar a decisão de não renunciar ao mandato de deputado federal, porque seus advogados avaliam que a condição de parlamentar dificulta a prisão.

Outra providência que o deputado vem tomando com regularidade é mandar recados, cada vez mais ameaçadores, para a senadora Gleisi Hoffmann, candidata do PT ao governo do Paraná. “Você não vai me transformar em um novo Gaievski”, repete Vargas como se fosse um mantra. Trata-se de uma referência ao ex-assessor de Gleisi na Casa Civil, Eduardo Gaievski, preso desde agosto de 2013 em uma penitenciária no interior do Paraná sob a acusação de praticar 28 estupros contra menores, sendo 14 deles contra vulneráveis (menores de 14 anos). A avaliação dentro do PT paranaense é que Gaievski foi abandonado pelo partido e por Gleisi que, após a prisão do ex-assessor, passou a fingir que conhecia muito mal Gaievski, apesar de ter levado o pedófilo para trabalhar na Casa Civil, em Brasília, a poucos metros da presidente da República.

Gaievski mandou vários recados exigindo socorro e ameaçando contar o que sabe sobre Gleisi Hoffmann. O delinquente sexual ainda não revelou seus segredos, mas está prestes a receber uma sentença que a maioria dos advogados que acompanham o caso avaliam que poderá ser muito longa. O recado de Vargas para a senadora — e também para seu marido, o ministro Paulo Bernardo (Comunicações) — ao reafirmar que “não será um novo Gaievski” mostra que o ex-petista não repetirá o “erro” de se manter calado.

A caixa de ferramentas de André Vargas já foi aberta para a revista Veja, revelando que tem elementos de sobra para provar a relação de Paulo Bernardo com o Grupo Schahin, associado à Camargo Corrêa (empreiteira grande doadora das campanhas de Gleisi), e da própria senadora com uma agência de publicidade de Curitiba que detém a melhor fatia das contas de publicidade do governo federal.

Não por acaso, a Camargo Corrêa vem ganhando destaque nas bombásticas revelações sobre os meandros da Operação Lava-Jato, da Polícia Federal. Não se descarta, inclusive, que a PF realize incursões em algumas empreiteiras para averiguar os repasses feitos à MO Consultoria, empresa de fachada de Alberto Youssef. A primeira “visita” da PF deve ser justamente à Camargo Corrêa, que fez os maiores repasses (R$ 26 milhões) à consultoria do doleiro.

Ucho.Info

Anúncios

Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. Dentro do tema politico do quilate dos que são mencionados na matéria publiquei o abaixo no facebook e na AVSPE:

    INOCENTE? INDIGNADO! OU INDECENTE TRAIDOR?

    O Jornal O Liberal deste 29/04/2014 em seu caderno Poder, na página política publica a imagem do ex presidente Collor e na chamada da matéria a manchete noticia: Collor Critica Barbosa e lentidão do STF e diz mais a mesma reportagem que, Absolvido, ex presidente disse que a história de sua presidência deve ser “reescrita” e complementa mais, publicando ter dito o senador por Alagoas que, demora no julgamento fez aumentar o seu “martírio”.
    Ora bolas Sr Senador e ex presidente! Em primeiro lugar o Sr não foi absolvido, como pode parecer ou ser traduzido e entendido por muitos e principalmente os menos avisados, pois sequer houve o julgamento do mérito das ações e, é como diz a mesma matéria jornalística, a demora no julgamento – lentidão judicial – levou alguns crimes à prescrição – assim como foi tentado com a Ação Penal 470, inclusive com a intervenção do Lulla junto ao Min Gilmar Mendes -, portanto, toda a imputação, denunciação e aceitação do que lhe fora atribuído, não foram os votos de Sua Excia que posicionaram mas, o maior aliado da bandiagem e de réus no Brasil com conta correntes bancárias recheadas e sem assim com alto poder econômico, é sem dúvida nenhuma é o tempo e seu voto que apenas não julga e “absolve” e assim simplesmente aplaudiu a lerdeza e os passos de cágados da justiça brasileira.
    Vá pergtuntar Sr Fernando Collor, a família daqueles brasileiros que perderam o pai, o qual ao chegar ao banco encontrou suas economias – poupança – bloquedas ou aquelas famílias que negociaram sua residência, colocaram o dinheiro no banco e da noite para o dia, se viram sem o imóvel e nem o dinheiro da venda. E quantos políticos e portanto, seus pares, ficaram apenas com aqueles 50 para sobrevier? E as histórias decorrentes, envolvendo seu irmão, o PC Farias e tantas outras pessoas? Essa é a questão, o povo tem realmente memória de minhoca mas, há exceção!
    De toda a sua odisséia enquanto Presidente, pelo menos uma pessoa, há que se fazer justiça, pois caiu fora do Brasil e se apartou da podridão que é a política brasileira, que foi a Zelia Cardoso.
    Não obstante o acima, há muito a sociedade vem reclamando dessa morosidade da toga e todos sabem que o cidadão comum sem foro privilegiado num universo absurdamente grande, não aguarda julgamento em liberdade mas, trancafiado lotando o sistema prisional nacional e isso sem contar com os que já pagaram a pena e prosseguem encarcerados. E o que V Excia já fez de útil e concreto em prol desses miseráveis, na condição de detentor de um mandato eletivo e como representanto de seu estado?
    Não precisa se preocupar em responder, por que a resposta sabemos: simplesmente nadaaaaaa!
    Tão logo houve o seu afastamento do planalto Sr Collor, esse ex ocupante do Planalto, recebeu do hoje também ex presidente mas pelo PT, que abriu o verbo na imprensa e lhe direcionou considerações embutidas em críticas ácidas e desabonadoras e mesmo a despeito das pedras que lhe arremessou, numa brutal incoerência e absoluta ausência de amor e respeito próprio, esse senador se liga, se alia a ele como se nada ele houvesse proferido. Aliás, é necessário ressalvar, o que não é privilégio do Collor, pois o mesmo ocorre com a família Sarney. Não esqueça quando for reescrever a história de seu mandato presidencial lançar as citações do seu amigo Luiz Inacio!
    Ante tudo o que já foi visto e o que diariamente é protoganizado, só há uma conclusão a que se chega: na composição do cidadão político nacional, é impróprio e impossível fazer parte a retidão de cacracter, boa formação moral e atitudes éticas, pois o que se testemunha e inunda a imprensa diariamente é publicamente um destratar o outro e depois sorridentes brindarem a desgraça da Nação e a indigência dos menos favorecidos.
    Por isso o espírito de corpo é rasteiro e o que defendem é o nivelamento por baixo. E assim, quando o Collor espragueja contra o Ministro Joaquim Barbosa, com certeza muitos, ou melhor centenas, louvam a morosidade, pois do contrário já estariam no olho da rua em função de condenação pelos crimes cometidos e cujas ações tramitam há mais décadas e o foro privilegiado é uma mãe de grande coração.
    Ante toda essa nojeira ou sujeira toda, como é que um cidadão de bem, sério e responsável, vai poder ou poderá entender, mesmo com toda boa vontade, as declarações do ex ocupante do Planalto, Luiz Inacio Lula da Silva à Radio e Televisão Portuguesa (RTP), afirmando que a Ação Penal 470 – mensalão – foi 80% decisão política e 20% decisão jurídica? Dá para concluir que os títulos de Doutor Honoris Causa que gentilmente lhe foram outorgados por países amigos, promoveram-lhe distúrbios patogênicos ou desarrajaram a intercomunicação em seus neurônios provocando uma diarréia de idéias, pensamentos e excreções.
    Quando é dito que para exercer cargo ou função política não é suficiente ter a obrigação de votar – sim essa história de direito de votar é conto de mil e uma noites, pois direito exerce-se ou não, enquanto obrigação quando não é realizada, vem a penalização, como é o caso do voto aqui – e assim poder ser votado e, há que ter mais algo na formação do cidadão, pois a representação política da sociedade não é tema que possa ser tratado simplesmente brindando com algumas garrafas de 51. Não é sob hipótese alguma, preconceito! É naturalmente a necessidade imperiosa de ser conseqüente, pois ninguém pode aceitar e admitir que um cidadão qualquer portando um bisturi realize cirurgia cardíaca ou de qualquer outro tipo em seu semelhante. É diferente? Nem tanto, pois em ambas situações vidas humanas estão em jogo.
    Acho que a reação dos ministros do STF foram mais de complacência ante o tamanho enorme da pobreza do ex metalúrgico, pois fosse um outro qualquer cidadão comum a abrir a boca e escarrar o que ele cuspiu, por certo seria chamado juridicamente a dar esclarecimentos.
    É possível concluir que os ministros optaram pelos panos quentes, principalmente, quando a covardia e a traição do “Ganso” do Romeu Tuma o “Barba” do DOPS diz na mesma entrevista que José Dirceu, Genoino, Delubio, João Paulo e outros mais do PT apenados na ação 470: “Não se trata de gente da minha confiança”. Vamos esperar para ver se a Rose Noronha vai ser condenada e se ele fará a mesma declaração!
    Em relação a essa última declaração, apesar de serem todos ligados e bem próximos do expresidente Lulla, podemos afirmar enquanto cidadãos probos que todos os condenados do mensalão, não se trata de pessoas ou de gente da confiança da Nação Brasileira, pois comprovado juridicamente em sentença transitado em julgado serem bandidos e portanto malfeitores para o País.
    O que se tem a lamentar e muito profundamente é que o Brasil esta pessimamente servido no que se refere a representação política partidária, pois não se vê e nem percebe nenhuma virtude, so canalhice.
    E por fim, a grande questão do subconsciente social nacional é que a massa crer piamente que quem cultua os princípios morais, éticos, sociais e de honestidade e abomina e discorda do levar vantagem, enganar, tirar proveito de outrem, como o fazem os 171, por exemplo, é ser babaca e, sei disso porque já recebi essa adjetivação.
    Por isso a maioria vive penderuda no cheque especial, no cartão de crédito e no empréstimo consignado, pois vive fora de sua realidade.
    Lúcio Reis
    Em 29/04/2014-Belém do Pará

    Lúcio Reis

    29 de abril de 2014 at 20:24


A área de comentários é liberada. Mas não venham pra cá cantar de galo e me atacar ou atacar a quem defendo. Sejam educados e comportem-se. Se não gostam do que publico, criem um blog e sejam felizes. Petralha aqui, não!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s