Abobado

Odeio petralhas | Raça de sangue ruim; corruptos, bandidos, oportunistas, picaretas, malandros…

Archive for julho 16th, 2014

Roubalheira petralha – Ex-diretor da Petrobras é denunciado por fraude em licitação de 2010

leave a comment »

Diretor da Odebrecht e mais 7 pessoas também foram denunciados. Se condenados, eles podem pegar até 4 anos de prisão

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ) denunciou à 27ª Vara Criminal da Capital, nesta quarta-feira (16), o ex-diretor internacional da Petrobras Jorge Luiz Zelada, o diretor de contratos da Odebrecht, Marco Antonio Duran, e outras sete pessoas por fraude em licitação. Se a Justiça aceitar a denúncia e eles forem condenados, podem pegar até quatro anos de prisão.

Em nota, a Odebrecht informou que "desconhece a denúncia apresentada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, bem como o relatório da auditoria interna realizada pela Petrobras. O contrato foi resultado de licitação pública conquistado de forma legítima por menor preço, em total respeito à Lei. A Odebrecht nega veementemente as alegações imputadas à empresa, assim como ao seu diretor".

O G1 entrou em contato com a Petrobras, mas até a última atualização desta reportagem não havia recebido um posicionamento.

O MP-RJ também requereu a perda dos empregos públicos e pagamento de multa de 2% sobre o valor do contrato licitado. Segundo a denúncia, Zelada, com o auxílio de advogado, técnico e engenheiros da companhia, direcionou o processo licitatório do Plano de Ação de Certificação em Segurança, Meio Ambiente e Saúde da Área Internacional em favor da empreiteira, resultando na contratação da Odebrecht pelo valor de US$ 825.660.293,73, em setembro de 2010.

Ainda segundo o MP, o ex-diretor violou o ato convocatório da licitação, determinando que a contratação dos serviços se desse de forma centralizada. Duas comissões foram criadas, de contratação e de licitação, onde seus integrantes assinavam atas sem tomarem ciência efetiva do teor de documentos e reuniões. A aprovação do projeto por Zelada se deu ainda sem as avaliações prévias obrigatórias dos comitês de gerentes gerais e de gerentes executivos da empresa.

Também foram denunciados Aluísio Teles Ferreira Filho (engenheiro da Petrobras), Venâncio Pessoa Igrejas Lopes Filho (advogado da Petrobras), Alexandre Penna Rodrigues (engenheiro da Petrobras), Ulisses Sobral Calile (técnico de inspeção de equipamentos transferido da Transpetro para a Petrobras exclusivamente para tomar parte na licitação), Sócrates José Fernandes Marques da Silva (engenheiro da Petrobras), João Augusto Rezende Henriques (ex-empregado da Petrobras) e Rodrigo Zambrotti Pinaud.

O MP também providenciou o encaminhamento do caso para o Núcleo de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (NCCLD) da Polícia Civil do Rio de Janeiro, para que seja instaurado inquérito relativo à fraude, incluindo também a venda da refinaria de San Lorenzo (projeto Atreu); aquisição de participação de 50% no bloco 2714 – A, offshore da Namíbia; a contratação da empresa Vantage Deepwater Company – serviços de perfuração do navio sonda Titanium Explorer; e a venda de 27,3% da participação indireta na Edesur (distribuidora de energia argentina).

A denúncia foi baseada no relatório de auditoria interna realizada pela própria Petrobras e subscrita pelos promotores de Justiça Alexandre Themístocles, Cláudia Condack e Andrea Amin da 1ª Central de Inquéritos.

Portal G1

Bandidagem petralha – Empresário relata ameaça de ex-diretor da Petrobras

leave a comment »

Paulo Roberto Costa teria ameaçado Caio Gorentzvaig para garantir que negociação saísse como queria

O empresário Caio Gorentzvaig declarou ao Ministério Público Federal que foi ameaçado pelo ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, alvo da Operação Lava Jato. Filho do pioneiro do setor petroquímico no país, Boris Gorentzvaig — fundador da Petroquímica Triunfo —, o empresário afirma que a ameaça ocorreu em 2008 em meio a uma disputa com a Petrobras e a Braskem, do Grupo Odebrecht, pelo controle da Triunfo. "Se vocês não venderem a Petroquímica Triunfo da maneira como nós queremos, vamos colocar vocês debaixo da ponte", teria dito Costa.

Leia também:
MP denuncia Youssef por lavagem no mensalão

Gorentzvaig afirma que o ex-diretor da Petrobras fez a ameaça durante reunião na sede da Petrobras, no Rio, da qual participaram o próprio Caio, um irmão dele, Auro, e o pai, Boris, já falecido. Costa teria dito que "somente ficariam no setor petroquímico duas empresas, sendo uma já escolhida, a empresa da família Odebrecht (Braskem) e a outra estava para ser escolhida". O empresário disse que questionou o então executivo da Petrobras sobre o destino da Triunfo quando ouviu a ameaça.

O depoimento foi tomado dia 16 de junho pelo Ministério Público Federal. Gorentzvaig declarou que Costa foi indicado para a Petrobras (em 2004) pelo então deputado federal José Janene, líder do PP na Câmara na época do mensalão, que morreu em 2010. Segundo o empresário, quem lhe contou sobre a indicação de Costa foi o próprio Janene em um almoço no Aeroporto de Congonhas. "Janene disse que poderia resolver o meu problema com a Petrobras porque era ele quem mandava em Paulo Roberto Costa."

Gorentzvaig relatou que em 2013 um advogado conhecido da família procurou sua mãe, de 75 anos, e convenceu-a a assinar um acordo extrajudicial por meio do qual compraria pessoalmente "os direitos de ação, bem como quaisquer outros direitos em razão da incorporação da Petroquímica Triunfo em face da Petrobras e sua sucessora, a Braskem S/A". Ele disse que seu irmão "gravou uma conversa em que o advogado afirmava que os pagamentos seriam feitos no exterior, tudo estava acertado com a Petrobras e as negociações envolveriam um banco internacional". Entregou cópia da gravação ao MPF.

Gorentzvaig afirmou que desde que gravou depoimento no youtube dizendo que a Petrobras é "um mar de lama", vem sofrendo ameaças de morte pelo telefone e pela internet. O criminalista Nélio Machado, que defende Costa, disse que "desconhece esse fato".

Ações judiciais

A Petrobras informou que existem "diversas ações judiciais, em fases distintas, envolvendo a participação acionária na Petroquímica Triunfo, que tramitam perante o Tribunal de Justiça/RS". Nessas ações, "o Judiciário não vem reconhecendo as pretensões que a Petroplastic (empresa em que a família Gorentzvaig detém ações) manifestou contra a Petrobras e a Braskem".

A Petrobras observou que "a incorporação da Triunfo pela Braskem foi analisada pelo Ministério Público Federal no Rio Grande do Sul e em São Paulo e pelo Ministério Público do Estado de São Paulo e todas as representações foram arquivadas, sem que fossem constatadas irregularidades". A Braskem rechaçou as acusações. "As afirmações são desprovidas de qualquer fundamento e já foram refutadas em inúmeras oportunidades pelos órgãos competentes do Poder Executivo e Judiciário."

Veja Online