Abobado

Odeio petralhas | Raça de sangue ruim; corruptos, bandidos, oportunistas, picaretas, malandros…

Archive for julho 18th, 2014

Isso é que é popularidade – Rejeição à gestão Haddad passa de 36% para 47%, aponta Datafolha

leave a comment »

O petralha incompetente também alcançou a terceira pior avaliação negativa em relação a outros prefeitos com o mesmo tempo no cargo

Após um ano e seis meses de mandato, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), atingiu o pior índice de reprovação já registrado desde o início da sua gestão.

Pesquisa Datafolha realizada nesta semana mostra que a insatisfação com a administração de Haddad passou de 36% para 47% entre junho e julho deste ano. Até então, a pior avaliação negativa havia sido registrada após os protestos de junho de 2013, quando 40% dos entrevistados consideravam a administração municipal ruim ou péssima.

Agora, o índice de reprovação voltou a crescer. Segundo a pesquisa, o governo Haddad é considerado bom ou ótimo por 15% dos entrevistados — percentual próximo ao registrado nos três levantamentos anteriores, quando 17% tinham avaliação positiva sobre o prefeito. Já o índice dos que consideram a avaliação regular diminuiu de 44% para 37%. A taxa dos que não souberam responder é de 2%.

O Datafolha ouviu 1.047 pessoas entre 15 e 16 de julho. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

Reprovação

A pesquisa aponta que a avaliação negativa de Haddad cresceu entre entrevistados de diferentes idades, níveis de renda e escolaridade. A reprovação cresceu, por exemplo, entre os mais ricos (de 34% para 53%), homens (de 35% para 50%) e entre aqueles que têm renda familiar mensal de dois a cinco salários mínimos (de 34 para 49%).

Haddad também alcançou a terceira pior avaliação negativa em relação a outros prefeitos com o mesmo tempo no cargo. O índice fica atrás apenas dos registrados por Jânio Quadros (66%) e Celso Pitta (54%). Em queda, a nota média da administração também atingiu seu valor mais baixo — de 4,8 em junho, passou a 4,1 neste mês.

A pesquisa foi registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o número: SP-00010/2014.

Folha Online

A roubalheira petralha não para: TCU encontra superfaturamento na ferrovia Norte-Sul

leave a comment »

Auditoria encontra irregularidade de R$ 37,3 milhões em parte de obra entre os municípios de Aguirnópolis e Palmas e pede ressarcimento

Mais uma vez, a ferrovia Norte-Sul é alvo de superfaturamento e uma série de outras irregularidades, como liquidação irregular da despesa, fiscalização ou supervisão deficiente ou omissa e projeto de engenharia deficiente ou desatualizado.

Os problemas foram encontrados por uma recente auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU). No Lote 12 da Norte-Sul, entre os municípios de Aguirnópolis e Palmas, no Estado de Tocantins, foi confirmado um superfaturamento de R$ 37,3 milhões em obras tocadas pela empreiteira SPA Engenharia. O contrato firmado em 2007 tem valor global de R$ 299,6 milhões.

Numa primeira avaliação, o TCU havia apontado superfaturamento de R$ 69,2 milhões. Depois de ouvir os argumentos da SPA, o tribunal revisou seus apontamentos, mas manteve a irregularidade em R$ 37,3 milhões.

Como as obras já foram executadas e o valor total foi pago, o TCU determinou que seja instalado um processo de tomada de contas especial, para ressarcir o pagamento aos cofres da Valec. Depois de receber vários aditivos, o contrato saltou para R$ 372,7 milhões.

A Norte-Sul é tocada pela estatal Valec. Em um segundo processo, o tribunal analisou mais cinco lotes de obras da ferrovia. Neles, também foram encontradas situações de superfaturamento decorrente de pagamento por serviço não executado, preços excessivos frente ao mercado. O TCU determinou a instauração de processos para cada lote, para quantificar o débito e apurar os responsáveis.

Estadão Online

A petralhada imunda batendo cabeça – Grupos de Dilma e Lula se estranham na campanha petista

leave a comment »

Disputa por mais influência sobre o comitê da reeleição é pano de fundo de críticas trocadas nos bastidores por auxiliares da presidente e de seu antecessor

A campanha de Dilma Rousseff à reeleição vive uma disputa interna entre dois grupos. Um ligado à presidente e outro mais próximo de seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva.

Embora o coro de "volta, Lula" tenha sido abafado na convenção que oficializou a candidatura de Dilma, em 21 de junho, a queda de braço entre as duas alas continua nos bastidores.

Em conversas reservadas, dirigentes do PT dizem que amigos de Lula são alvo de "armação" dos "dilmistas". A rede de intrigas aborrece Lula, que tem uma sala montada para ele no comitê da reeleição, em Brasília, mas nenhum compromisso previsto para ocupá-la.

O ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, esteve na quarta-feira no comitê. Conversou com o presidente do PT, Rui Falcão, e apresentou a ele um plano de trabalho para a corrida presidencial, na tentativa de aproximar Dilma da Igreja e dos movimentos sociais.

Isolamento

Ex-chefe de gabinete de Lula, de 2003 a 2010, Carvalho está isolado no governo Dilma. No comitê, petistas dizem que ele recusou convite para integrar a coordenação da campanha. O ministro, porém, jura que nunca foi convidado, embora prefira continuar suas funções no Palácio do Planalto até dezembro.

Três funcionários da Secretaria-Geral da Presidência foram indicados por Carvalho para a campanha de Dilma, mas ele próprio não tem intenção de entrar nesse núcleo. Cândido Hilário Garcia de Araújo, Geraldo Magela e José Claudenor Vermohlen despacham na Secretaria Nacional de Relações Político-Sociais, subordinada ao ministério comandado por Carvalho, e deixarão o governo na segunda-feira para trabalhar no comitê.

Mata-mata

No Instituto Lula, sede da organização não governamental dirigida pelo ex-presidente, a avaliação é que a campanha do PT está em ponto morto, o que atiça o jogo de "mata-mata" entre o grupo mais próximo de Dilma e seguidores fiéis ao ex-presidente. No Planalto, o Instituto Lula foi batizado de "Serpentário do Ipiranga", numa referência ao bairro que abriga a sede da ONG, em São Paulo.

A briga por mais poder e influência na campanha de Dilma começou no quartel general da comunicação, atingindo justamente Franklin Martins — homem de Lula no comitê. Ex-ministro do governo Lula, Martins está sendo acusado pelos dilmistas de querer "mandar demais", provocando tensão desnecessária ao publicar posts agressivos, como o que alvejou o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin, no site "Muda Mais". Criado há cerca de três meses na conta do PT, o site dá suporte à campanha de Dilma.

Lulistas afirmam que um dos focos da "queimação" é o quarto andar do Planalto, onde fica a Casa Civil da Presidência, ocupada por Aloizio Mercadante.

Minas

O mata-mata também tem uma "ponta" no PT de Minas Gerais, reproduzindo a disputa protagonizada na eleição de 2010 por aliados de Fernando Pimentel, hoje candidato do partido ao governo mineiro, para tirar o poder de Falcão na comunicação da campanha.

Estadão Online