Abobado

Odeio petralhas | Raça de sangue ruim; corruptos, bandidos, oportunistas, picaretas, malandros…

Archive for agosto 26th, 2014

Essa corja tem de ser esmagada – Vereador do PT suspeito de matar torcedor é preso

leave a comment »

Raimundo César Faustino, conhecido como Capá, é acusado de homicídio, rixa qualificada e lesão corporal por se envolver em briga de torcidas organizadas que matou torcedor palmeirense

A Polícia Civil prendeu nesta terça-feira o vereador petista Raimundo Cesar Faustino, de 41 anos, em Francisco Morato, cidade da Grande São Paulo onde ele cumpre mandato parlamentar. Faustino é suspeito de espancar e matar o torcedor palmeirense Gilberto Torres Pereira, morto na última quarta-feira com diagnóstico de morte cerebral — a vítima ficou internada durante três dias por traumatismo craniano. O vereador foi indiciado por homicídio, rixa qualificada e porte de arma branca. Outros dois torcedores corintianos e quatro palmeirenses estão presos por envolvimento na briga. Faustino nega ter participado do confronto.

O delegado da Seccional de Franco da Rocha, na Grande São Paulo, Cosmo Stikovics Filho, afirmou que o vereador — foragido há dois dias, quando teve a prisão preventiva decretada — estava escondido na casa de conhecidos. “Nós o capturamos depois de fazer um levantamento de vários locais onde ele poderia estar”, disse.

Nesta segunda-feira, o Partido dos Trabalhadores informou que suspendeu por sessenta dias o vereador e mais dois filiados que estavam na confusão, Leonardo Gomes dos Santos e Gentil Chaves Siani. “Os indícios que existem hoje são suficientes para a suspensão. Não temos tolerância para violência e não vamos compactuar com qualquer tipo de agressão”, disse, em nota, o presidente do PT no Estado de São Paulo, Emídio de Souza. O comitê estadual do partido também autorizou que o caso fosse encaminhado à Comissão de Ética do PT, que terá sessenta dias para investigar o ocorrido e tomar outras providências.

Conflito

Na manhã de 17 de agosto, integrantes de torcidas organizadas —  a corintiana Gaviões da Fiel e a palmeirense Mancha Verde — entraram em conflito próximo a uma estação de trem em Franco da Rocha. Os palmeirenses se dirigiam ao Estádio do Pacaembu, onde assistiriam ao clássico contra o São Paulo, e os corintianos voltavam de uma festa na quadra da Gaviões. Durante o confronto, seis pessoas foram presas. Apesar de ter sido identificado pelos policiais como um dos agressores, o vereador conseguiu fugir do local. Segundo o Boletim de Ocorrência, o palmeirense Gilberto Torres Pereira foi agredido com um bastão de madeira e encontrado caído na rua. Ele foi internado e morreu três dias depois.

_capah_cabdidato_assassinoConhecido como Capá, Faustino cumpre o segundo mandato como vereador em Francisco Morato. Nas eleições deste ano, ele se candidatou a deputado estadual pelo PT. Nas imagens de campanha divulgadas por sua página no Facebook, o petista aparece vestido com roupas da torcida organizada e com o seguinte slogan: "Gavião vota em Gavião". Segundo o seu perfil publicado na Câmara Municipal de Francisco Morato, ele é filiado ao PT desde 2002.

O vereador também foi flagrado por imagens de câmeras da televisão desferindo um golpe contra um policial no jogo entre Corinthians e Vasco, no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, em agosto de 2013. Por causa da agressão, ele foi impedido de entrar em estádios brasileiros por noventa dias. De acordo com o seu blog, que é mantido por sua assessoria, Capá é membro do Conselho Deliberativo da Gaviões da Fiel.

Veja online

Escândalo da Petrobras: O Paulinho do Lula terá de falar de políticos na delação premiada da Operação Lava Jato

leave a comment »

O Ministério Público Federal já decidiu quais são as informações prioritárias que o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa terá de revelar no acordo de delação premiada que ele fechou na última sexta-feira (22): os procuradores da Operação Lava Jato querem saber como os contratos da Petrobras eram superfaturados e como o valor a mais retornava para os políticos.

Delação premiada é a figura jurídica na qual um réu conta o que sabe à Justiça em troca de redução de pena. Costa foi preso pela segunda vez em junho, depois que a Suíça informou as autoridades brasileiras de que ele tinha US$ 23 milhões em contas secretas naquele país.

A escolha dos contratos superfaturados e do caminho pelo qual a propina chega aos partidos têm uma razão prática: são esses pontos sobre os quais os procuradores têm menos provas para usar nas ações penais.

Um exemplo dos indícios de que Costa cuidava da distribuição de recursos a partidos: a Polícia Federal apreendeu uma caderneta do ex-diretor da Petrobras com anotações de doação de R$ 28,5 milhões em 2010 para o Partido Progressista (PP).

Os procuradores dizem nas ações que os recursos saíram de contratos superfaturados da Petrobras, principalmente na construção da refinaria Abreu e Lima, da qual Costa era um dos responsáveis. Há lacunas, no entanto, sobre como o valor supostamente superfaturado foi distribuído para os políticos.

Costa foi indicado pelo PP para a diretoria de distribuição da Petrobras em 2004, ficou no cargo até 2012 e conseguiu apoios no PT e PMDB.

Ele decidiu fazer um acordo de delação premiada como os procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato depois que a Polícia Federal fez buscas e apreensões em 13 empresas que pertencem a sua filha, sua mulher, seu genro e um amigo dele.

A maioria das empresas em que a PF fez buscas na última sexta-feira não tinha atividade nem funcionários e serviam para receber propina de fornecedores da Petrobras por meio de contratos falsos de consultoria, segundo os procuradores da força-tarefa. Costa ficou extremamente preocupado com documentos encontrados no escritório de uma empresa da filha dele, segundo a Folha apurou.

O ex-diretor da Petrobras também ficou com o temor de não ter o que contar depois que outros cinco réus resolveram fazer acordo de delação premiada com os procuradores da Operação Lava Jato, entre os quais uma contadora e um advogado do doleiro Alberto Youssef.

A família de Costa pressionou-o para fazer a delação por não ver saída jurídica para o caso. Na última quinta-feira (21), véspera da decisão, o ex-diretor da Petrobras havia perdido mais um recurso no Supremo, uma reclamação impetrada pelo advogada Nelio Machado com a alegação de que o caso de Costa não deveria continuar na Justiça federal do Paraná já que a Petrobras fica no Rio.

Com a derrota no Supremo, a mulher de Costa, Marici, enviou uma advogada especializada em delação premiada para Curitiba, Beatriz Catta Preta, para fazer o acordo com os procuradores.

A advogada de Costa repete desde sexta-feira que o acordo de delação ainda não existe, que depende de "uma decisão pessoal" de Costa. A Folha apurou, no entanto, que as declarações da advogada fazem parte de uma estratégia para evitar que a delação seja anulada posteriormente na Justiça porque esse tipo de negociação exige sigilo absoluto de todas as partes envolvidas.

Folha Online