Abobado

Odeio petralhas | Raça de sangue ruim; corruptos, bandidos, oportunistas, picaretas, malandros…

Roubalheira petralha: Delator diz que pagou propina ao afilhado de Dirceu na Petrobras

with one comment

Shinko Nakandakari fechou acordo de delação premiada e confessou que pagou, em nome da Galvão Engenharia, 2,1 milhões de reais a Renato Duque

O engenheiro Shinko Nakandakari, que assinou acordo de delação premiada para colaborar com a Justiça no escândalo do petrolão, disse em depoimento ao Ministério Público Federal que pagou propina ao ex-diretor da Petrobras Renato Duque, ao ex-braço direito dele Pedro Barusco e ao ex-gerente-geral de refinaria Abreu e Lima Glauco Legatti em troca de contratos com a estatal.

Em todos os casos, disse que o pagamento de dinheiro sujo foi autorizado e definido previamente pelos executivos Dario Galvão (presidente da Galvão Engenharia), Erton Medeiros (diretor da empreiteira) e Luís Augusto Disfrutti (antecessor de Erton na empresa). A Galvão Engenharia é uma das empresas integrantes do Clube do Bilhão, grupo de construtoras que fraudava contratos com a Petrobras e distribuía vantagens ilícitas a agentes públicos e parlamentares. Erton está preso preventivamente em Curitiba desde o ano passado.

Os valores de propina, discriminados por obra e valor, eram registrados em uma tabela intitulada “controle de medição” e administrada pelo próprio Shinko, que atuava como carregador de malas de dinheiro no petrolão. Na lista das propinas, Barusco era identificado como “Amigão”, enquanto Duque tinha o codinome de “Nobre”.

De acordo com o depoimento do delator, entre setembro de 2008 e agosto de 2010, por exemplo, 3 milhões de reais em propina recolhidos da Galvão Engenharia foram entregues a Renato Duque (2,1 milhões de reais) e 900.000 reais ao próprio Shinko. De dezembro de 2010 a dezembro de 2013, 4,41 milhões de reais em dinheiro sujo, também da Galvão, foram repassados a Barusco. Em julho de 2011, 1 milhão de reais foi repassado a Duque em restaurantes de luxo, como o Fasano, no Rio de Janeiro.

No pagamento da propina, a Galvão Engenharia depositava o dinheiro na conta dos filhos de Shinko e, na sequência, o engenheiro ou seus filhos repassavam os recursos para Barusco, Duque e Glauco Legatti. O engenheiro foi contratado pela Galvão Engenharia por conhecer o ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco e, por isso, conseguir aditivos em contratos e turbinar o caixa da construtora.

Para exemplificar o envolvimento da cúpula da construtora com o esquema de corrupção na Petrobras, Shinko Nakandakari relatou que, em uma das reuniões da empresa, em 13 de junho de 2011, Dario Galvão informou, após negociar contratos com a Petrobras, que “a Galvão sabia recompensar bem os parceiros”.

Embora as propinas pagas pela Galvão Engenharia incluíssem também repasses à diretoria de Gás e Energia, já comandada pela ex-presidente da Petrobras Graça Foster, o delator não fez referência a qualquer irregularidade cometida pela ex-executiva.

Versões

Embora em todo o seu depoimento Shinko Nakandakari tenha afirmado que a direção da Galvão Engenharia ditava as regras e os valores das propinas a serem pagas, o ex-diretor-presidente da Divisão de Engenharia Industrial da empresa Erton Medeiros, preso na sétima fase da operação Lava Jato, apresentou uma versão diferente à Justiça. Ele informou que a empreiteira pagou 8,8 milhões de reais entre 2010 e 2014 em propina a Shinko, que teria se apresentado como emissário de Pedro Barusco.

Em documento apresentado à Justiça, Erton Fonseca apresentou notais fiscais e tabelas que comprovariam a cobrança e o pagamento de propina e diz que “a Galvão Engenharia foi impingida a pagar à empresa LFSN Consultoria Engenharia entre os anos de 2010 e 2014, por determinação de Shinko Nakandakari”.

Depoimento

Em outro depoimento aos procuradores da República, também anexado ao processo criminal contra executivos da Galvão Engenharia, o presidente da empresa Estaleiros do Brasil, Maurício Godoy, afirmou que participou de reuniões do Clube do Bilhão em prédios da UTC e da Queiroz Galvão. De acordo com o executivo da Estaleiros do Brasil, uma empresa do grupo Toyo Setal, as empresas de cartel também chamavam o clube de "grupo" ou "mesa". Ele disse ter participado de reuniões do cartel com até 16 empresas, incluindo a Galvão Engenharia.

"Após o acerto, a empresa que havia sido escolhida para vencer a licitação fazia seu estudo de custos, definia seu preço de venda e informava às demais quais preços elas deveriam apresentar", resumiu Godoy.

As informações foram passadas aos procuradores da República, porque ele tem interesse em aderir ao acordo de leniência fechado pelo MP com o grupo Toyo Setal.​

Veja Online

Anúncios

Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. Republicou isso em Jorge Roriz.

    Jorge Roriz

    27 de fevereiro de 2015 at 08:18


A área de comentários é liberada. Mas não venham pra cá cantar de galo e me atacar ou atacar a quem defendo. Sejam educados e comportem-se. Se não gostam do que publico, criem um blog e sejam felizes. Petralha aqui, não!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s