Abobado

Odeio petralhas | Raça de sangue ruim; corruptos, bandidos, oportunistas, picaretas, malandros…

Posts Tagged ‘FMI

FHC diz que Dilma mente e não entende nada de economia

leave a comment »

Fernando Henrique Cardoso, em artigo publicado no Observador Político

Agora vejo o motivo pelo qual a presidente Dilma Roussef não conseguiu obter grau de pós-graduação na Unicamp: ela entende pouco de economia. E mesmo de números. Disse no debate na Band (dia 26/08), que o Brasil “quebrou três vezes” no governo do PSDB. De onde tirou tal falsidade?

O Brasil estava em moratória desde o final do governo Sarney (será que é a isso que ela se refere quando diz “quebrado”?). Desde quando assumi o Ministério da Fazenda, no governo Itamar, começamos a refazer a credibilidade do país. Em outubro de 1993 assinamos uma renegociação da dívida externa e voltamos aos mercados internacionais. Fizemos em 1994 o Plano Real, sem apoio do FMI, e erguemos a economia. Começava o período de construção da estabilidade, que durou todo meu primeiro mandato, passando por crises bancárias, Proer, renegociação das dívidas dos estados e municípios etc.

No início do segundo mandato, depois das consequências da crise da Ásia (1997), da crise argentina e toda sorte de dificuldades externas e internas — graças a atos políticos irresponsáveis da oposição (PT) e à incompletude do ajuste fiscal — sofremos forte desvalorização cambial em janeiro de 1999, apesar de havermos assinado em 1998 um acordo de empréstimo com o FMI (será que é isso que a presidente chama de “quebrar o país?). A inflação não voltou, apesar das apostas em contrário, e antes do fim do primeiro semestre de 1999 já havíamos recuperado condições de crescimento, tanto assim que em 2000 o PIB cresceu 4,7%.

Nova dificuldade financeira, a despeito das restrições na geração de energia, só ressurgiu no segundo semestre de 2002. Por que? Devido ao “efeito Lula”: os mercados financeiros mundiais e locais temiam que a pregação do PT fosse para valer. Sentimos o efeito inflacionário (os 12% a que a presidente sempre se refere, que devem ser postos à conta do PT). Aí sim, recorremos ao FMI, mas com anuência expressa de Lula e para permitir que seu governo reagisse em 2003, como fez. Do empréstimo, 20% seriam para usar no resto de meu mandato e 80% no de Lula… Não houve interrupção do fluxo financeiro internacional, nem quebradeira alguma.

É mentira, portanto, que o governo do PSDB tenha quebrado o Brasil três vezes. Por essas e outras, o governo Dilma Roussef perdeu credibilidade: em vez de informar, faz propaganda falsa.

Cala a boca, Magda: ‘Cadê o FMI agora?’, diz Lula sobre crise financeira

leave a comment »

lula_07102008

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou nesta terça-feira, 7, o Fundo Monetário Internacional (FMI) pela falta de atuação na crise internacional. “Quando era o Brasil ou a Argentina que apresentava uma crise, o FMI sempre dava palpite e ditava o que fazer ou não fazer. Cadê o FMI agora?”, indagou. Lula ressaltou que se a turbulência chegar ao Brasil, “chega mais leve” e voltou a negar a existência de um pacote anticrise no País.

Em discurso a uma platéia de cerca de três mil trabalhadores metalúrgicos em Angra dos Reis, Lula garantiu que a crise econômica mundial não chega ao Brasil. “Esta é a primeira vez que um governo não precisa explicar ao povo que a crise é internacional e não local. Todos estão cansados de ouvir isso. Mas muitos acham que é prepotência minha dizer que esta crise não chega ao Brasil. Digo e insisto: se chegar, chega mais leve, mesmo que haja quem esteja torcendo para ela chegar logo e causar estragos”, disse.

Inspirado por parábolas e por frases chavões, Lula abusou da retórica para cravar ao público local: “Todo mundo sabe que o que está acontecendo se deve a especulação financeira que começou nos Estados Unidos. Eles brincaram com a economia mundial e na hora que a porca entorta o rabo, sobra pra nós”, disse, para lembrar em seguida que “desta vez será diferente”, por que o País fez como “na história da cigarra e da formiga: enquanto eles cantavam, a gente trabalhava”. A citação foi feita com relação ao fato de o Brasil ter conseguido quitar sua dívida internacional e hoje estar endividado apenas em real e não mais em dólar.

“A crise americana é muito profunda. talvez seja a maior crise nos últimos 50 anos. Só teve igual a esta em 1929. E ela está chegando na Europa. porque os bancos europeus participaram do cassino imobiliário dos Estados Unidos”, disse o presidente, lembrando que nas crises do México, Ásia e Rússia, os “rombos” da economia mundial foram bem menores, em torno de US$ 50 bilhões e o Brasil “quase quebra”. “Mas esta, nos Estados Unidos, enquanto o rombo já é de US$ 1 trilhão só lá dentro. A mágoa deles e de alguns aqui dentro é de que o Brasil não quebrou. Eu não estou dizendo que não teremos dificuldades, mas que até agora estamos em pé”.

Andando de um lado para o outro, em cima de um palanque montado em meio ao estaleiro Brasfels, onde foi batizada a plataforma P-51 da Petrobras, Lula afirmou ainda que tanto os Estados Unidos quanto a Europa, “fingiram que não tem crise”. “Eles são iguais aquelas pessoas que não gostam de pobre. Vão para a reunião do G8, querem falar da Amazônia, mas não falam de crise”.

Pacote

O presidente foi bastante enfático ao afirmar que a atual crise não deverá motivar a formação de um pacote econômico no País. “Não haverá nenhum pacote econômico”, disse. Ele ainda reiterou que “todas as vezes em que houve um pacote econômico no Brasil, o trabalhador é que foi prejudicado.”

O presidente ressaltou que foram tomadas medidas econômicas de apoio aos bancos pequenos e aos exportadores. “Cada medida será tomada conforme ela for exigida no dia-a-dia”, disse. Falando em tom paternal aos presentes, Lula acusou os Estados Unidos de terem feito a “farra do boi” com o dinheiro público. “O trabalhador sabe que se fizer a farra do boi com seu salário, quem vai pagar é o seu filho. E a gente não deve governar um país, mas cuidar de um país, como se cuida de uma família, sabendo que quem vai sofrer as conseqüências são os nossos filhos”, disse.

Ele destacou que espera que o “pacote americano ajude a resolver o problema deles”. “Mas pelo amor de Deus, agora que deixamos de comer o pão que o diabo amassou e começamos a comer um pãozinho com mortadela, eles que não venham querer se socializar com a gente. Este tipo de socialismo não queremos. Queremos socializar a bonança e não a miséria.”

Ainda falando sobre a crise, o presidente defendeu à platéia que é preciso que “ninguém se abale com a crise”. “É preciso que cada um de nós acredite que o País se encontrou com seu destino e não há nada no mundo que vai fazer com que reapareçam o desemprego, a miséria e o abandono. A crise gera especulação, gera desconfiança e depois cidadão fala que não vai gastar seu dinheiro e vai guardar. Peço a vocês que não façam isso, e continuem fazendo a mesma coisa que estavam fazendo.” Estadão Online

Written by Abobado

7 de outubro de 2008 at 15:33

Publicado em Economia

Tagged with , ,